CEO roteiros de viagens corporativas

As maiores preocupações dos CEOs nos roteiros de viagens corporativas

As viagens corporativas estão cada dia mais presentes na rotina de empresas de diversos tamanhos e segmentos. Afinal, hoje em dia essas viagens são mais do que necessárias e também deixaram de ser vistas como gastos supérfluos.

Muitas empresas ao redor do mundo têm a necessidade de deslocar um colaborador ou mais, a fim de captar clientes e fechar acordos que rendem lucros muito satisfatórios para a empresa.

Essas viagens, quando não são planejadas e administradas da forma correta, acabam virando um verdadeiro peso nos ombros, tanto para o profissional viajante, quando para o CEO. Justamente por isso, é extremamente importante que seja criada uma política de viagem. Assim, é possível que todos os detalhes de planejamento sejam devidamente seguidos com muito mais facilidade e tranquilidade.

Sabendo disso, o post de hoje da Nix Travel abordará as maiores preocupações dos CEOs nos roteiros de viagens corporativas. Confira!

Atender as necessidades da empresa

Um CEO precisa observar a forma como outras empresas lidam com suas viagens corporativas. Essa é uma ótima forma de adquirir sabedoria e tentar implementar as mesmas regras e estratégias na sua empresa, porém, adaptadas ao que é melhor para cada caso.

Afinal, cada empresa tem uma necessidade em particular e é essencial que elas estejam muito bem esclarecidas e claras na cabeça do CEO. Logo, o que funciona em uma empresa, pode não funcionar na sua.

Por isso, uma das maiores preocupações que um CEO tem, é atender as necessidades da empresa durante a viagem e, dessa forma, trazer resultados efetivos e lucros satisfatórios.

Entender os limites da corporação

Outra preocupação é entender todos os limites que gravitam da corporação. Esse tópico é fundamental para que a política de viagens corporativas montada pelo CEO fique completa.

Ou seja, para fazer com que as regras da viagem possam funcionar de maneira eficiente, é necessário saber colocar em pauta os limites financeiros, estruturais, logísticos, entre outros, que a empresa possui. Na hora de realizar a política de viagens da empresa, basta pensar em tudo que pode ser otimizado para a redução de custo e maiores resultados.

Atuar dentro da cultura organizacional da empresa

Para um CEO, é muito importante considerar a cultura organizacional da empresa e tentar agir exatamente dentro dela. Ou seja, se a empresa é totalmente moderna e atua lado a lado com as novidades tecnológicas, não faz sentido algum o CEO redigir uma política de viagens à mão.

Dessa forma, é necessário realizar a tarefa de forma tecnológica, pois é assim que a estrutura organizacional da empresa atua. Por isso, em muitos momentos, o CEO da empresa deve sempre pensar em alinhar consigo mesmo e com todos os envolvidos na empresa as regras e como funciona o sistema profissional que ocorre internamente.

Realizar um orçamento adequado para a viagem

Ainda dentro da criação da política de viagem corporativa, que é uma grande preocupação que todo CEO tem, a definição dos valores é uma das principais peças do quebra-cabeça.

Além disso, é um dos tópicos de maior importância para fazer com que todo o setor financeiro tenha um giro satisfatório. Essa definição de custos consegue realizar toda a redução de gastos da empresa.

Por isso, é importantíssimo que o CEO estabeleça limites claros com o gestor, sobre hospedagem, transporte, alimentação, passagens aéreas, passagens terrestres, transporte público, táxi, etc.

Uma das maiores preocupações é não conseguir organizar tudo com antecedência e pagar um preço muito mais alto do que o normal. Justamente por isso, é necessária muita clareza e transparência, pois assim todos podem colaborar.

Manter a imagem da empresa através do colaborador

Hospedar o funcionário em um hotel de baixo nível e distante do local das reuniões de trabalho reflete de forma extremamente negativa para a empresa e é um ato totalmente imprudente. Além do gasto que há para o deslocamento, corre-se o risco de submeter o colaborador a constrangimentos e atrasos.

Por isso, para que um bom trabalho seja realizado, o CEO deve pensar sempre na qualidade, comodidade e facilidade do lugar de hospedagem. A forma como uma empresa hospeda um funcionário, diz muito sobre suas políticas internas.

Dentro desse assunto, também há muitas preocupações por parte de quem lidera uma empresa. Uma dica, porém, é sempre ouvir a opinião dos viajantes. Afinal, são eles quem representarão a empresa e que, de certa forma, sabem o que é melhor para eles. Isso significa que muitos já viajaram em função de representar a empresa e, com certeza, possuem experiência o suficiente para expor pontos negativos e positivos.

Uma boa empresa e um bom CEO sempre abrem espaço para a troca de opiniões e informações relevantes. A grande preocupação é conhecer a realidade dos colaboradores e atuar dentro dela. Desta forma, dialogar com o gestor de viagens sobre o andamento de seus serviços, ouvindo o feedback dos colaboradores viajantes, ajuda no aperfeiçoamento de viagens futuras.

Preocupação quanto à segurança

Como a viagem é feita em nome da empresa, é justamente a empresa a responsável pelo bem-estar e segurança do funcionário viajante. Dessa forma, é necessário que se incluam regras de segurança que devem ser respeitadas e seguidas.

Para reduzir a pressão e preocupação que o CEO sente em relação a esse assunto, é válido criar um formulário com todos os telefones para contato de pessoas que podem ser contatadas em casos de emergência. O nome dessas pessoas e o parentesco também deverão constar no relatório.

Além disso, outra dica indispensável para o CEO é adquirir no pacote de viagem um seguro viagem para garantir que o colaborador estará devidamente protegido.

Agências de viagens corporativas

Caso a sua rotina como CEO da empresa esteja muito corrida, o que é bem provável, não desperdice a chance de contratar uma empresa especializada em viagens corporativas como a Nix Travel.

Por possuir vasta experiência no ramo, a empresa consegue diversos descontos diferenciados, além do extremo conforto de hospedagem e viagem para os colaboradores que estão prestes a representar a empresa fora da cidade ou do país.

Comments are closed.